1 de março de 2012

Estudo defende que "bebés não são pessoas e podem ser mortos"

Dois investigadores defenderam num artigo publicado no ‘Jornal de Ética Médica’, do conceituado grupo British Medical Jornal, que bebés recém-nascidos não são pessoas e que matá-los, logo nos primeiros dias de vida, não é muito diferente de fazer um aborto.

Francesca Minerva, académica nas Universidades de Melboune e Oxford, e Alberto Giubilini, das universidades de Milão e Monash, em Melbourne, argumentam que os recém-nascidos, tal como os fetos, não têm um estatuto moral semelhante ao dos adultos.
Na tese publicada, os especialistas em ética defendem que os recém-nascidos são ‘não-pessoas' porque ainda não têm consciência da sua própria existência.
Para os dois investigadores, não se trata de infanticídio, mas sim de aborto pós-parto e só deveria ser autorizado em bebés com doenças e malformações não detectadas durante a gravidez. Outra situação possível é para pais que não têm condições para psicológicas ou materiais para lidar com o bebé.
O artigo foi publicado, justificou Julian Savulescu, editor do Jornal de Ética Médica, porque a publicação não existe para veicular apenas uma determinada corrente de pensamento. "Os autores argumentaram, de uma forma provocadora, que não existem diferenças morais entre um feto e um recém-nascido. A argumentação parte de ideia que muito podem aceitar e outros rejeitar", afirmou.
Certo é que a polémica está instalada, com milhares de cartas e e-mails a ameaçar de morte os autores da tese. Julian Savulescu condenou as ameaças enviadas à publicação, considerando tratarem-se de uma tentativa de censura inaceitável.


Embora choque muito boa gente, eu não sou contra o aborto.
Quando feito até determinada altura, e se a gravidez não é desejada, se existem problemas ou se foi resultado de uma violação por exemplo.

Agora se a gravidez foi levada até ao fim……..
O que nasce é um bebe, não me digam que é o mesmo que um feto de 12 semanas

Eu consigo entender a parte que referem mal formações no bebe, pois aquele bebe não vai ter uma vida normal, nem os pais, mas infelizmente são coisas que acontecem, os pais tem o direito de o matar por não ir ficar bem nas fotografias????
Por não ser o bebe perfeito que sempre sonharam?
O amor que senti pela minha filha mal a vi, é superior a tudo, felizmente ela perfeita, mas se não fosse, eu não ia ser capaz de a rejeitar por isso.

Não concordo com estas mentalidades, não consigo, nem quero.
Mas claro, cada um tem direito a sua opinião

4 comentários:

ombemua disse...

God!
Nem comento...

Katie disse...

Concordo contigo plenamente, fico chocada com certas mentalidades!
É este o Mundo que temos???!!

Beijinho

http://viradadoavesso-katie.blogspot.com/

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Matar "algo" que não se vê porque está na barriga, parece mais fácil... mas matar um ser que mal nasce já reage à nossa voz, à luz e que se tenta comunicar pedindo cu limpo, mama e calor... Parece-me um pouco, perverso!!

Mammy disse...

Eu sou declaradamente a favor da despenalização do aborto.
Acho que as pessoas têm todo o direito de abortar se não querem ou podem ter aquele filho.
Agora, matarem-se bebés é demais! E quando nascem os bebés são bebés, não são fetos ou embriões.

As tretas que os recém-nascidos "não têm um estatuto moral semelhante ao dos adultos" para suportar argumentos assassinos acho completamente descabidas, pois os bebés de 1 ou de 3 meses também ainda não têm "estatuto moral semelhante ao dos adultos" e por isso também se poderão matar?

Beijinhos