30 de abril de 2010

Casamentos Relâmpago

Na minha modesta opinião (coisa que neste país ainda vamos tendo direito, desde que o façamos de modo discreto), as pessoas já não dão ao casamento a importância de outrora.
Cada vez mais se ouve falar em divórcios, separações e traições no matrimónio.
Mas afinal o que se passa com as pessoas de hoje em dia?
Na minha opinião o casamento já é visto apenas como uma festa, um motivo para ajuntar os amigos e os familiares numa festa em que se gastam rios de dinheiro, e já não se pensa que ao dizer o Sim, teoricamente deveria ser para sempre.
Não digo que as pessoas tenham de ficar atracadas uma a outra para sempre se já não gostarem delas, mas que pensem antes de darem esse paço,
No fim de semana passado fiquei em estado choque ao saber que um casal conhecido de uns amigos se ia divorciar ao fim de 3 meses de casamento…….
Mas o que se passa com esta gente?????
Porque é que casaram????
Poderia se dizer que não se deram bem a viver juntos, mas não, eles já viviam juntos a alguns anos, algo aconteceu como é óbvio, na minha opinião alguém andou a enfeitar a cabeça do parceiro, só pode, não encontro outra explicação.
O que me custa a perceber é porque é que casaram??????
Quem encorna o marido ou a mulher ao fim de 3 meses é porque não gosta nem nunca gostou da outra pessoa, se não gostava porque é que casou???
A menos claro que tenham encontrado uma pessoa mesmo fantástica e a que casaram se tenha transformado num animal, mas mesmo não os conhecendo, não creio
Bem como não arranjo uma justificação racional para tal acto, vou ficar por aqui...

7 comentários:

Nocas disse...

Há inúmeros casos assim!! Vivem juntos bastantes tempo (anos mesmo) e depois de se casar nem chega a 1 ano.
Devido a isso é que eu não me caso... mas também por achar que o compromisso, respeito e o próprio amor não é mais valioso porque assinamos um papel e dissemos perante várias pessoas o SIM!
São opiniões... e esta é a minha.

dinona disse...

Eu cá só sou a favor do casório pela civil... é que nem pelo copo dágua sou a favor, isso é só um motivo para gastar dinheiro e a malta comer à pala e fazer figuras tristes bebados (e isso faz-se em qualquer noite do ano).

Mas acho mesmo que o problema é as pessoas não lutarem hoje em dia, não estão para se chatearem com nada.

Se um gosta de azul e outro de rosa não são capazes de chegar a um consenso para conviverem, acham que a melhor maneira é o "cada um vai pra ser lado".

Façam como eu, ajuntem-se lol

Bloguótico disse...

Como se costuma dizer, "se o casamento fosse coisa boa, não seriam precisas testemunhas"! LOL

Vandinha disse...

O Casamento sim... é sem dúvida um momento muito bonito bla bla bla mas, também, um autêntico desperdicío de dinheiro. Se me casasse agora.... com o dinheiro que iria gastar metia chão flutuante cá em casa, trocava a cozinha, a casa-de-banho e ainda fazia uma viagem de 7 dias á Austrália!!!

Juntem-se mas é que é a melhor coisinha do Mundo!! Se a coisa não der certo... é só dividir o que se comprou em conjunto e pronto... fica tudo amigo na mesma!

Beijinhos***
Vandinha

Anónimo disse...

Pois, é bem verdade o que aqui dizes.
Eu, cá por mim (alguns sabem que sou, outros nem por isso) sou casado e acho que bem casado.
Não digo "desta água não beberei" até porque desconheço o dia de amanhã.
Para além disso tudo, já conheço uns quantos casais que se divorciaram, mas não me lixem, como é que é possível, alguém que eu conheço, estar junto durante uns 5 ou 6 anos (não vou precisar tempos nem datas, para não cometer erros), decide casar, e apenas 2 ou 3 meses depois se divorcia??? Não consigo entender... Quer dizer, ou a pessoa com quem se viveu durante tanto tempo, (e não estou a julgar aqueles que namoram durante 10 anos e quando se casam e passam a viver juntos se cansam rápidamente) passou a ser completamente insignificante ou então tem de haver caso ao barulho.
Recentemente tive conhecimento de mais um destes casamentos relâmpagos em que a tipa vive não sei quantos anos com o marido, casam-se, entretanto cai na cantiga do bandido (coisa que fez com várias outras meninas e que estas não lhe deram saída) e começa uma relação extra conjugal, mantendo os dois, um não sabe de nada e o outro trata-a mal, chegando mesmo a ser mal-educado e até mesmo "porco" mas como tem um certo "estatuto", ela aguenta.
O 2º encosta-a à parede e ela, aproveita que o marido teve que se ausentar por uns dias e sai de casa.
Agora acha que por andar a dar umas com um tipo com um "pseudo-poder" já acha que vai subir na vida. Espero eu, ou então não, que ela abra os olhos e se faça à vida, porque quando o fulano se cansar é capaz de lhe fazer a vida negra.
Bem, com isto, tenho de assinar uma vez mais como anónimo, para que não se levantem aqui pelo meu trabalho muitas perguntas.

Sara* disse...

Estimado Anónimo como já disse mais que uma vez eu prefiro que quem comenta o meu blog assine com o seu próprio nome.
Desta vez, como o comentário não me ataca directamente a mim, eu publiquei, embora não goste que utilizem o meu espaço para ataques pessoais.
Como referi, este post não é dirigido a ninguém em especial, mas ouve quem achasse que sim.
Só espero que este seu comentário não me venha a trazer complicações, pois a minha paciência tem limites, e birras não aturo nem as da minha querida e doce sobrinha.
O Blog é meu e só cá vem quem quer, agora achar que tudo o que escrevo tem a ver com alguem em especial, acho que é egocentrismo a mais.
Beijo a todos

Emídio disse...

Olá Sara, mais uma vez, já algum tempo que aqui não vinha e uma vez mais tens aqui um assunto, no mínimo polémico.
Como sabes, sou casadoe pai de 2 filhos lindos. Decidi isto em conjunto com a minha namorada, actual esposa, e é lógico que temos feito os possíveis para aguentar o casamento, sim, porque como toda a gente, nós também passamos as nossas dificuldades e divergências de opinião.
Uma vez mais, infelizmente, aparece aqui um anónimo a falar de terceiros como se isto fosse um linchamento em "asta pública", estes fulanos, que não têm a coragem de dar a cara não interessam a ninguém e ainda tentam estragar este "cantinho" porreiro que aqui tens.
Bem, voltando ao assunto, quando casei, assinámos de facto um documento, e acho que quando as pessoas se dispoem a casar, deveriam pensar um pouco no que vem a seguir e pensar se estão dispostos a lutar pelo que fizeram, não façam como uns amigos meus de "faculdade" que disseram de boca cheia que só iam casar para contar a guita no final.
Bem, já me estou a alongar e para terminar quero dar-te, a ti Sara, os meus parabéns por este blog e continua assim e manda "cagar" esses anónimos :)
Beijos