1 de maio de 2011

1º dia da Mãe

Este ano, pela primeira vez, estou a comemorar o dia da mãe na primeira pessoa.
Adorei estar grávida, sentir a minha filha crescer dentro de mim, sentir os movimentos e os soluços da Mariana, durante 41 semanas foi só minha, parecia que adivinhava, se estava triste ou me sentia só, lá vinha um pontapé para me fazer sorrir.
No dia 3 de Fevereiro, senti o que é ser a mulher mais feliz do mundo ao sentir a minha filha nos meus braços, ver aquele pequeno ser, tão frágil por um lado e por outro uma menina, que de forma valente passou por um trabalho de parto e estava tranquila enroscada no meu peito.
Ao longo destes praticamente três meses, a minha felicidade aumenta dia para dia, tal como o meu amor pela minha filha, quando já acho que é impossível amar mais, vem um sorriso e o meu coração derrete, perco-me a olhar para ela, ver cada linha da carinha dela, aquelas mãos pequeninas, a pele macia, sentir o calor dela junto ao meu, o cheirinho a bebé, é tudo bom demais.
Adoro ouvir a Mariana palrar e rir, aqueles olhinhos tão expressivos e grandes, que estão sempre a mirar tudo em redor, fica linda a chuchar na mão ou quando se põe s chuchar na língua loll
Estou a adorar ser mãe, assusta-me um bocado a ideia de um dia desiludir a minha filha, ou falhar no papel de mãe, é algo que me assombra, pensar que algo poderá acontecer de mal á Mariana e eu poderei não a conseguir proteger, tudo farei para que tal não aconteça.
Como mãe, vou estar presente sempre que ela o deseje, e quando não o fizer vou estar na mesma, pois por vezes é necessário ter o ombro lá para amparar as quedas e ouvir enquanto se dá colo, mesmo na fase adulta.
Só sinto falta duma coisa, ter a capacidade de tirar as dores da minha filha e ser eu a passar por elas..... dói muito quando ela tem alguma dor e eu não posso fazer nada para a aliviar, sem ser dar todo o meu amor, neste momento são só as cólicas, ou as vacinas, mas vão chegar os dentes, febres, e sei lá eu mais o quê.....
Vou tentar fazer com a minha filha o que a minha mãe (que amo muito) ainda hoje faz comigo, estar sempre a distância dum telefonema e amar a minha filha incondicionalmente.
Vou-lhe transmitir tudo de bom que aprendi ao longo da vida e passar os valores que acho mais correctos para que ela seja uma grande mulher.



Amo-te muito Mariana

4 comentários:

Palavrinhas* disse...

De certeza vais continuar a ser uma grande Mãe!
Beijinhos às duas :-)

Petra disse...

Essas inseguranças são normais certamente Sarita.
Um beijinho e parabéns por esse milagre...

Aquae Flaviae disse...

Revejo-me em cada palavrinha do teu texto, linda...

Esta está a ser uma experiência incrivel de amor incondicional...

Já doi pensar que o vou deixar daqui a 2 meses e meio............................................................ :'(

Vera, a Loira disse...

Que continues muito feliz nesse papel tão importante, sempre o papel principal na vida de alguém.