4 de dezembro de 2010

Solidariedade com data marcada

Ontem o R chamou-me a atenção sobre algo que é uma grande verdade, neste país a solidariedade, o ajudar o próximo, tem altura para ser feita.
Eu já me tinha apercebido, mas nunca tinha escrito sobre o quando essas atitudes me revoltam.
Quando o Natal está a porta, todos se lembram dos desalojados, dos que não têm dinheiro para uma refeição decente e equilibrada, das crianças a quem roubaram a infância, das que não têm uma sala quentinha, com uma árvore de natal cheia de presentes, dos que infelizmente, por voltas que a vida dá, ou apenas por más escolhas que fizeram, estão sozinhos e andam pelas nossas ruas.
Quando chega a altura do Natal aparecem mil e uma campanhas de solidariedade, os canais de televisão organizam programas que duram um dia inteiro, em que cada chamada que se faz para lá x% reverte a favor duma causa, chovem emails a pedir brinquedos, roupas, pijamas e livros para os hospitais, empresas doam centenas sapatos, botas e ténis para famílias carenciadas, nos supermercados perguntam se queremos arredondar a conta para reverter para uma determinada associação, os músicos dão concertos para angariar fundos, etc, etc, etc..........
A igreja fala que temos de ajudar o próximo, não ceder ao consumismo e partilhar o que temos com os mais necessitados, tudo isto é muito bonito, mas então expliquem-me porque é que o Vaticano é o estado mais rico do Mundo e o papa anda de sapatos prada.......
Eu acho que sim, quem pode, deve ajudar quem necessita, mas é o ano inteiro, a pobreza não existe só na altura de natal.
Nas campanhas do banco alimentar, distribuam logo comida em condições, não a deixem a ganhar pó e a estragarem-se, por essas coisas não funcionarem, é que cada vez mais são vistas de lado.
Quem quer ajudar, ajuda, não precisa de dizer a toda a gente que vai ou está a ajudar.

1 comentário:

Petra Pink disse...

sempre gostei de ajudar, e apesar de adorar o natal sempre o fiz quando posso e não na altura programada lol.
Porque a necessidade é todo o ano. bjo