17 de janeiro de 2011

Eu não queria falar disto...

Ando farta deste assunto, uma pessoa tenta ver a merda do telejornal e só ouve falar de duas coisas, ou o assassinato do Carlos Castro e o Renato Seabra ou as eleições para a Presidência da Republica (é com cada candidato que até dá vontade de chorar) ... mas será que estes denominados jornalistas e profissionais da informação não encontram mais nada para falar????
Este assunto da morte do CC já mete nojo, é sempre as mesmas coisas, as mesmas entrevistas as mesmas conversas, é a irmã que diz que o irmão só ia viajar com o Carlos Castro para arranjar contactos no mundo da moda (e ficava no mesmo quarto??? com uma cama??? então o irmão oferecia-se por contactos), ou o amigo que diz que o RS é tão boa pessoa, que é melhor que ele próprio (esta gente não mede o que diz).
A minha opinião, já que aqui a posso colocar, é que ele pura e simplesmente se fartou de andar a ser o nenuco do CC e pimbas, televisor para cima, porrada com fartura e saca rolhas (sacou mais do que rolhas).
Agora o que acho ridículo é tentarem sequer alegar insanidade....
Uma pessoa pode ter momentos de loucura, perder as estribeiras, cegar por momentos e fazer algo que depois se arrepende, mas aquilo foi macabro de mais (pessoalmente nunca gostei do Carlos Castro, acho que ele tinha ar de porco, mas ninguém merece aquilo), o rapaz, alem de o ter morto, mutilou-o a seu belo prazer e ainda ficou lá umas 3 ou 4 horas com o corpo.....
Se fosse loucura temporária não fazia aquilo, atirava com o LCD mas depois chamava a policia e dizia que tinha sido um acidente que o outro o tinha atacado ou assim.
Um puto da idade dele, contra um homem de sessenta e tal anos, e com aquele ar, não precisava de muito para o dominar.
Para mim ficava em NY e cumpria no mínimo os 25 anos ou mesmo a perpetua, mas ficava lá, não vinha para Portugal.
Mas claro esta é apenas a minha opinião

6 comentários:

Vanda Saraiva disse...

Tu não querias falar disto e eu nem vou comentar.

Beijinho para ti *****
Vandinha

dinona disse...

O CC morreu?
O programa Curto Circuito terminou?! Não posso!!! :-P

Eu continuo a espalhar a minha filosofia de não ver os 4 canais!

Petra Pink disse...

ja vomito caso cc.

Aquae Flaviae disse...

Realmente... ainda bem que tenho ZON (apesar de tdo), pois dos 4 canais só a 2 é que se safa...
Isto de estar em casa nem dá vontade de ligar a TV... Nos canais por cabo também é uma porcaria pois repetem "n" vezes as mesmas séries e programas... enfim daqui a pouco tempo já temos com que nos enterter sem necessitar a TV! lolll

Anónimo disse...

vai trabalhar!! so por teres barriga nao queres trabalhar!!! lolololol

beijinho

Rui Guerreiro

Anónimo disse...

A morte de Carlos Castro vem demonstrando aquilo que venho dizendo há muito tempo: o prazer de cada um saber da vida dos outros.
É verdade que Carlos Castro foi assassinado, o que logo à partida está mal!
É verdade que Renato Seabra matou e não o deveria ter feito!
Estes são os factos! Alguém foi morto e alguém vai ter que pagar pelo que fez.
E que faz o povo? Sente um prazer mórbido em conhecer todos os pormenores dos acontecimentos. Precisa de saber com precisão como tudo aconteceu.
E as televisões que fazem? Dedicam horas ao assunto para deleite do Zé Povo.
O que mais estranho é que a televisão pública e que é paga por todos nós faz exactamente o mesmo.
Temos um povo miserável! Temos um povo a quem lhe fazem tudo e mais alguma coisa e ele diverte-se deste modo.
O que é necessário é saber da vida dos outros, como eles comem e dormem, com quem andam e até como morrem.
Pode estar algum pobre doente ou faminto que isso não incomoda. Agora se um maricas qualquer é morto por um chulo e ambos são figuras mediáticas, isso sim é importante.
Podem-lhe diminuir o vencimento, aumentar os impostos, aumentar-lhe os bens de primeira necessidade. Isso é acessório. Agora se uma VIP qualquer fez mais uma plástica ou foi vista em trajes menores, isso já é importante e motivo para por um país inteiro preocupado.
Razão tinha afinal Salazar quando seguia a política dos FFF. Mantinha o povo sereno e manso.
Os tempos são outros, as técnicas também são outras, mas no fundo tudo se mantêm igual.

omaiscomumdosmortais.